• home
  • contato
  • filie-se
  • webmail

Noticias

Artigo: O golpe no Brasil e a intensificação do sistema de dívida

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Hoje, a República brasileira está em disputa no padrão de desenvolvimento levada a cabo através do bloco de poder do governo, onde as forças econômicas e políticas interessadas em estabelecer uma hegemonia da direita radical levaram o golpe parlamentar com o presidente Michel Temer e seus ministros no leme.

 

O Brasil, como outros países da América Latina, está passando por um período de ascensão dos direitos que têm especial interesse na rápida intensificação do sistema de dívida pública, por que eles atacaram o governo da presidente Dilma (pertencente a trabalhadores ' partido, eleitos no final de 2014) pelo impeachment de colocar direito hegemônico - asa forças no governo de forma fraudulenta. Embora o governo da presidente Dilma não representava uma ameaça de romper com a hegemonia do capital, derrubar o governo através de um golpe representou a possibilidade para o capital para "resolver" a crise econômica ideológico, político e transgredir os limites constitucionais.

 

Neste contexto, Michel Temer torna-se o presidente em exercício do Brasil em 12 de maio de 2016 e o ??final de agosto assumiu oficialmente a presidência com a equipe de governo. Um ano atrás, este governo continua a intensificar as medidas para aprofundar o sistema de dívida e continua a impor duros ataques contra os setores populares. É a partir deste momento histórico, que é o Brasil, proponho algumas reflexões para compreender esta correlação de forças eo trabalho realizado pela Auditoria Cidadã da Dívida. Portanto, temos de discutir as seguintes perguntas: Qual é o sistema de débito? Quais são as medidas que o governo do atual presidente Temer adotadas no Brasil expressando a intensificação deste sistema? Como o movimento de Auditoria da Dívida Cidadã está a organizar, neste momento? Quais são os limites e perspectivas da luta do movimento neste momento?

 

1. Sistema de Dívida: origens e aprofundamento no Brasil


O trabalho desenvolvido pelo movimento Auditoria Cidadã da Dívida identificou o mecanismo do sistema de débito, que consiste em um sistema de dívida pública sem contrapartida em bens e serviços para a sociedade, ou seja, ele é um todo articulado para gerar um dívida simplesmente financeira. Esse sistema foi reproduzido em várias economias, engrenagens que fazem parte deste sistema são: i) o modelo econômico; ii) privilégios financeiros; iii) o sistema legal; iv) a corrupção; v) a imprensa dominante; vi) organizações internacionais.

 

A constituição do sistema de dívida desde a década de 1970 a partir da consolidação dólar padrão-dólar tem subordinada a economia latino-americana para a sua reprodução lógica. Desde os anos 1970 muitos países da América Latina (Equador, Brasil e Argentina) têm servido como uma plataforma para a absorção de crise internacional de liquidez (falta ou excesso de capital). Com a exceção do Equador, que realizou uma auditoria da dívida pública em 2007, a suspensão dos pagamentos de dívida odiosa , repleto de fraude que beneficiou apenas, a banca financeira. Outros países da América Latina, incluindo o Brasil, estão pagando e refinanciamento de suas dívidas até hoje. A experiência em auditoria oficial, que ocorreu em 2007 no Equador, com a contribuição do Movimento de Auditoria Cidadã da Dívida mostrou que estes países latino-americanos sofreram o mesmo processo durante as ditaduras militares.

 

a ditadura militar no Brasil durou 21 anos (1964-1985) neste dívida externa período cresceu de US $ 3,2 trilhões em 1964 a US $ 105 trilhões em 1985. Esse aumento se originou, entre outras causas pela decisão dos EUA em 1979 de Paul Volcker, para elevar a taxa de juros por mais de 18% ao ano; você está fazendo com a dívida de muitos países em crescimento na América Latina, além da medida, até a eclosão da crise da dívida externa na década de 1980. Em 1990, apesar de discursos em favor do Plano Brady destinadas teoricamente era o redução da dívida, que teve o efeito oposto fazendo com que o crescimento contínuo da dívida e engrenagens do sistema da dívida continuou a se fortalecer. No caso do Brasil, especificamente, isso foi feito pelo Plano Real e o novo consenso macroeconômico que condenou este país para ajuste fiscal desemprego permanente, a concentração da riqueza e precarização dos serviços públicos.

 

Desde a metade do capital financeiro de 1990 consolidou sua hegemonia política no padrão de desenvolvimento brasileiro através de suas reformas. O sistema de demonstração da dívida e hegemonia do capital financeiro no Brasil pode ser verificado no padrão de desenvolvimento deste país nos últimos 27 anos, como no sistema legal, o sistema político e a própria imprensa. As principais características deste padrão de desenvolvimento são: i) a inserção subordinada internacional - que pode ser visto na dependência da exploração de recursos naturais; ii) assimetria relação aprofundamento na capital contra o trabalho, onde o capital continua a enfraquecer as organizações da classe trabalhadora; iii) a abertura comercial e financeira; iv) o aumento do desemprego e concentração de riqueza; v) a incapacidade do Estado para servir a população com melhores serviços públicos, etc. Politicamente este padrão de desenvolvimento se manifesta a partir da hegemonia da classe rentista e sua política de aplicação de altas taxas de juros, mudança política de valorização e os gastos sociais redução, o que comprometeu mais de 45% o orçamento público para o sistema de débito.

 

Desde a consolidação do Plano Real (em 1994), a capital financeira adquiriu hegemonia completa no bloco de poder, mas a dinâmica de valorização desta capital tornou-se insuportável nesses modos próprios do Plano Real. Assim, com a crise cambial em 1998 o governo de Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente do Brasil, introduziu um outro regime macroeconômico - o assim - chamado triple macroeconômicas (metas de inflação , câmbio flutuante e superávit primário).

 

Quando em 2003, o Partido dos Trabalhadores, com o ex-presidente Lula à frente, alcançou o governo, eles não romper com esse padrão de desenvolvimento, e não a hegemonia do capital financeiro. No entanto, facilitou às vezes o regime de metas de inflação ea política de superávit primário, que abriu um pouco mais as chances de ação do governo em uma situação económica relativamente favorável, possibilitada através de investimentos públicos feitos pelo Governo . Durante os treze anos que o Partido Trabalhista estava no governo eles nunca foram propostos ou considerar uma auditoria da dívida pública. Nem eles vêm para fazer uma crítica à hegemonia do capital financeiro, por outro lado, consolidou um modelo de conciliação de interesses de classes antagônicas. Com a crise global se aprofunda, o modelo estabelecido na economia política brasileira de conciliação de classes adotada por estes anos de legislatura, tornou-se impraticável crise também entrar.

 

Com a queda das receitas fiscais no contexto de crise e a manifestação do déficit primário em 2014, a política de acomodação do conflito de classes entrou profunda crise de hegemonia, com o resultado final do golpe liderado pelo atual o presidente brasileiro Michel Temer, com suas forças políticas corretas que continuam a destruir todos os limites constitucionais sobre a dívida aprofundamento do sistema.


Gráfico: receita líquida e despesas do Governo Central (% do PIB ) - Brasil - Anual

Embora o Congresso brasileiro é identificado como um centro embalado manifestações corruptos e fascistas na negociação golpe foi confirmado em 31 de Agosto, 2016, na sede do governo. Depois disso, Michel Temer assumiu o cargo, apresentando uma composição ministerial exclusiva de homens, muitos sendo que ambos são corruptos. Em menos de 1 ano, o governo golpista impôs um conjunto de reformas estruturais contador no país que estão destruindo a maior parte dos direitos conquistados pela classe trabalhadora, os povos indígenas, por negros e mulheres.

 

2. O governo golpista de Michel Temer no Brasil e a intensificação do sistema de dívida.


governo Temer Ilan Goldfajn eleito como presidente do Banco Central do país, um dos principais parceiros de um dos maiores bancos em atividade no Brasil e no Ministério das Finanças colocou Henrique Meirelles, também, outro banqueiro. Ambos são declaradamente contrário de qualquer incentivo política para bancos públicos na economia brasileira. Em adição, desde os primeiros dias no cargo da presidência, a composição golpe e a mídia hegemônica atacaram a Segurança Social brasileira relacionadas com os direitos trabalhistas em que está incluído o seguro-desemprego, aposentadoria e doente licença . Eles acusam o déficit da Previdência Social e acumulando ser demasiado caro para as finanças públicas imediatamente pela apresentação de um proposta de emenda constitucional para reformar sem qualquer legitimidade a ele. Quando os representantes do governo foram convocados para discutir o conteúdo violento do nenhum reforma deles apareceu para realizar o debate, já que os dados fiscais mostram que a segurança social é em excesso.

 

Nas mulheres sociedade capitalista são submetidas à dupla jornada de trabalho, uma conquista da luta feminista no Brasil, que esta foi reconhecida e, portanto, as mulheres alcanzasen o direito de se aposentar mais cedo do que os homens. Conquistada omitir esta reforma direita, quase igualando a idade de aposentadoria de homens e mulheres, eliminando a dupla carga de trabalho das mulheres e ser mais agressivo desta reforma para eles. A reforma exige que os homens se aposentar com 65 anos de idade e as mulheres 62 e em ambos os casos deve ser de pelo menos 25 anos de contribuições. Em adição, a regra para o benefício integral exige 40 anos de contribuição, um absurdo e irreal demandas, porque na prática as pessoas falham ao alcançar o tempo de contribuição exigido. A Contra-Reforma, também, é agressivo com trabalhadores rurais, que exige que a idade mínima para a aposentadoria de homens e mulheres são iguais como outras categorias de trabalho (mulheres 62 e os homens a 65 anos) e 15 anos de contribuição.

 

A articulação do golpe também aprovou uma regra de congelamento do orçamento público (PEC 55) para impedir o aumento dos investimentos sociais e política fiscal por 20 anos, uma coisa que nunca em qualquer economia do mundo. No centro desta regra é a falácia de que o crescimento da dívida pública é fazer com que o crescimento do investimento social pelo Estado. A regra impõe a qualquer custo social da reserva de recursos de destino do orçamento público para o pagamento de juros sobre a dívida pública e de refinanciamento.

 

Neste momento, o governo impõe outra reforma agressiva, reforma trabalhista. A reforma do mercado de trabalho tem o objetivo de destruir as leis que protegem as mulheres trabalhadoras e trabalhadores, impondo a negociação direta entre empregador e trabalhador / s, a terceirização generalizada e enfraquece as organizações da classe trabalhadora. A Câmara dos Deputados fez várias manobras para aprovar o regime de "urgência" da reforma trabalhista, impondo a classe trabalhadora uma reforma agressiva inteiramente em favor da classe capitalista.

 

Além das mudanças estruturais violentos na organização da despesa pública, mercado de trabalho e da segurança social, composição cortes golpe continua a intensificar programas ligados à agricultura familiar.

 

Em suma, neste momento na sociedade brasileira vive uma ascensão das forças fascistas e entregar toda a riqueza do país ao imperialismo. É um extremamente adverso para a classe operária e as forças progressistas no país agora.

 

3. Cidadã da Dívida Movimento Auditoria: perspectivas em sua luta neste momento e limiares.


Embora a questão da dívida está no centro da crise econômica, política e social no Brasil, que rouba os holofotes na mídia e entre os poderes institucionais é a questão da corrupção no resumo ou corrupção como um problema que surgiu na última década no país e não tem relação com raízes profundas entre público e privado em capitalismo. Além disso, quando a questão da dívida aparece na mídia e entre os poderes tomadas por forças conservadoras no Brasil, assume uma dimensão moralista e leva o gasto social excessiva do governo como causa de corrupção em seu discurso sem qualquer evidência para confirmar este tipo de acusação. Os dados são muito claros e tem sido demonstrado que o Estado brasileiro teve um superávit primário 1997-2014, ou seja, o argumento de excesso de gastos é uma falácia, porque o governo paga aos detentores de títulos de dívida pública durante todos estes anos, realizando um ajuste de rotina. No entanto, os movimentos sociais e partidos de esquerda têm enfatizado que a questão central da crise económica, social e política é a apropriação do instrumento de dívida pública pelo capital financeiro ao longo dos últimos três décadas. Assim, o movimento da Auditoria da Dívida Cidadã já percorreu um longo caminho neste momento no trabalho de formação com as classes trabalhadoras, outros movimentos sociais e campo parlamentares progressistas.

 

Neste momento a auditoria da dívida Cidadão com os sindicatos, movimentos e organizações da sociedade civil sociais pediram para a população, de 14 de março a 30 de junho de 2017, para participar no referendo sobre reformas segurança social, mercado de trabalho, a privatização ea necessidade de auditoria da dívida. Além disso, o movimento da Auditoria da Dívida Cidadã continua, através dos seus vários centros, examinando as dívidas dos estados do Brasil, mobilizando a população e agir em manifestações nas ruas. Mas agora é muito difícil avançar novas conquistas de direitos, uma vez que a correlação de forças no interior do estado e da sociedade colocou forças defensivas progressivos, fazendo que a principal luta daqueles que continuam na resistência é a preservação dos direitos já conquistados. No entanto, como o capitalismo é um sistema social contraditória, neste momento há um aumento da luta da Auditoria da Dívida Cidadã, como o sistema de dívida que se aprofunda, os setores populares estão questionando as origens da dívida corrói nossos direitos.

 

Além disso, as forças do governo reacionários Michel Temer foram, desde o início, incapaz de reorganizar o bloco de poder, e nos últimos dias, parece que a imprensa hegemônica (Red Globe) decidiu sair, juntamente com outras facções políticas, para construir outra combinação de forças dentro do processo actual. A luta de classes está mostrando as contradições e corrupção do sistema econômico e político no Brasil. Os movimentos sociais, sindicatos e estudantes estão organizando e fazendo manifestações em várias cidades, como a recente manifestação de massas em Brasília, em 2017/05/24.

 

Priscilla O. Martins de Santana

Economista, membro do Núcleo Baiano da Auditoria Cidadã

http://www.cadtm.org/El-golpe-de-Estado-en-Brasil-y-la

SINDJUFE-BA | Todos os direitos reservados
Edf. CAB Empresarial - Av. Ulisses Guimarães, 3302 Sussuarana - 1ª Andar - CEP 41213-000
Salvador - BA - Tel/Fax: (71) 3241.1131 / 2027
(71) 3326.0383 / 0174


VERSiTE - Soluções Web
on-line 366 visitantes
visita 8079502